Leia todas as notícias

 

60 Anos de Taça Olímpica

A Taça Olímpica, também denominada Taça de Honra, prêmio máximo que se pode ambicionar no terreno desportivo, tem por finalidade premiar, todo ano, aquele que, no juízo do Comitê Olímpico Internacional (COI), mais fez em prol do olimpismo e do esporte.

A outorga de tal prêmio é feita pelo Comitê após rigoroso estudo dos documentos apresentados pelos candidatos.

O Fluminense, conhecedor da existência do troféu e das condições exigidas aos candidatos, enviou ao Comitê, em 1924, farta documentação, inclusive sobre a realização dos Jogos Latino-Americanos de 1922, realizados em suas novas instalações especialmente ampliadas para esse fim.

 

 

O que é a Taça Olímpica
A Taça Olímpica (em língua francesa: Coupe Olympique) é a mais alta honraria do desporto mundial, sendo considerada o Prêmio Nobel do esporte. Também chamada de Taça de Honra, foi instituída pelo Barão Pierre de Coubertin, idealizador dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, e é atualmente concedida pelo Comitê Olímpico Internacional.

Os Vencedores
1940 — Svenska Gymnastik - och Idrottsföreningarnas Riksförbund
1941 — Comitê Olímpico Finlandês
1942 — William May Garland, Los Angeles
1943 — Comitê Olímpico Argentino
1944 — Cidade de Lausanne
1945 — Norges Fri Idrettsforbund, Oslo
1946 — Comite Olimpico Colombiano
1947 — Sigfrid Edström, Presidente do COI
1948 — O Conselho Central de Educação Física, Grã-Bretanha
1949 — Fluminense Football Club
1950 — Comitê olímpico belga


A Conquista da Taça

A saga tricolor até a conquista do troféu em 1949
(Fonte – História do Fluminense – Paulo Coelho Netto – Págs 173/174/175/176/177)
A Taça Olímpica foi instituída em 1906 pelo Barão Pierre de Coubertin, criador dos Jogos Olímpicos da Era Moderna. Ela foi atribuída pela primeira vez, naquele ano, ao Touring Club da França.

A Taça Olímpica, também denominada Taça de Honra, prêmio máximo que se pode ambicionar no terreno desportivo, tem por finalidade premiar, todo ano, aquele que, no juízo do Comitê Olímpico Internacional (COI), mais fez em prol do olimpismo e do esporte. A outorga de tal prêmio é feita pelo Comitê após rigoroso estudo dos documentos apresentados pelos candidatos.

O Fluminense, conhecedor da existência do troféu e das condições exigidas aos candidatos, enviou ao Comitê, em 1924, farta documentação, inclusive sobre a realização dos Jogos Latino-Americanos de 1922, realizados em suas novas instalações especialmente ampliadas para esse fim.

O COI estava reunido em Paris, quando o Ministro Paulo do Rio Branco, representante do Brasil no conclave, comunicou a candidatura do Fluminense à obtenção da Copa no período de 1926-1927, em reconhecimento à organização dos Jogos de 1922. Sem o apoio do Barão Pierre de Coubertin e do Conde de Baillet Latour, presidente e vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional, o Fluminense não foi feliz em sua primeira iniciativa.

Em 1936, o clube voltou a pleitear inscrição e novo dossiê foi remetido ao COI, desta vez reunido em Berlim, sede da décima primeira Olimpíada, mas o troféu ficou com a Áustria. Depois, com a guerra que se estendeu a todos os continentes, o Fluminense interrompeu o trabalho iniciado em 1924.

Em 1948, por ocasião dos Jogos Olímpicos de Londres, nova inscrição foi solicitada. O Fluminense competia com famosa instituição inglesa, porém num gesto de rara elegância, o nosso delegado, Dr. J.Ferreira dos Santos, retirou a candidatura tricolor a fim de que, unanimemente, fosse concedido o prêmio aos anfitriões dos países disputantes, mas renovou a proposta do Fluminense para o ano seguinte.

Finalmente, a 28 de abril de 1949, há exatos 60 anos, chegava a notícia da decisão tomada pelo comitê Olímpico Internacional reunido em Roma: o Fluminense Football Club conquistara a Taça Olímpica de 1949, dando ao Brasil a sua maior e mais consagradora vitória nos desportos mundiais.


A Festa
Comemorando a conquista da Taça Olímpica, os sócios e diretores do Fluminense se reuniram em um jantar de confraternização no dia 15 de julho de 1949, no salão nobre do clube. Fabio Carneiro de Mendonça, presidente do Fluminense, foi o primeiro orador da noite, recordando o trabalho de Afonso de Castro e J. Ferreira dos Santos, o primeiro reunindo a documentação com que o Fluminense pleiteou, várias vezes, sua inscrição na Taça Olímpica, o segundo, patrocinando no COI a causa máxima dos tricolores.

“Foram dois grandes cristãos na vitoriosa cruzada em que todo o organismo vivo do Fluminense foi guerreiro”, disse, na ocasião.

Em seguida, num discurso memorável em que evocou o espírito do olimpismo e historiou o triunfo máximo do Fluminense e dos desportos nacionais, J.Ferreira dos Santos declarou: “A sua organização material é daquelas que honram um país, é um padrão de glória que deve servir de modelo para todos que cultivam o desporto”.

No dossiê apresentado ao COI – ao verificarem as suas instalações, o preparo de seus atletas, a sua parte social, a prática de tantas modalidades esportivas, o carinho atribuído aos seus atletas e a prática daqueles princípios anunciados há pouco – fundamentou-se com toda a justiça a sua escolha por unanimidade para a Taça Olímpica de 1949.

 
Todos os Direitos Reservados © 2007 Diretora do Stand de Tiro do Fluminense Angelamaria Lachtermacher